Ira resguardada pela culpa

[…] Eu me doía por dentro ao ver o que acontecia e me repreendia mentalmente por nunca ter tido a coragem de ajudá-la. Eu o protegia e mantinha suas agressões por de baixo dos panos, pois era minha família. Ela o protegia talvez porquê o amasse muito, mesmo que eu não considerasse aquilo amor, ou …

Continue lendo Ira resguardada pela culpa

Anúncios

Vá em frente.

Vamos lá mulher, você viu pelo que sua mãe passou, não lhe serviu de exemplo? Apenas dê o fora, o que está te prendendo? Siga em frente. Ninguém faz isso como você. Ele vai esquecer o que prometeu e você terá que dizer novamente, então poupe a si mesma e vá embora. Você está chorando? Ele não está. Nunca …

Continue lendo Vá em frente.

Romantização. Sutil no drama.

Sentada em sua escrivaninha, Clarice se pôs a escrever. Mas apenas conseguiu ficar observando a barra de texto piscar na tela do computador sem alimentar uma letra sequer. Na caixa de entrada de seu e-mail há uma proposta de participação na escrita de um romance. Suspira. Um romance... Falta-lhe inspiração para isso. Tem se identificado …

Continue lendo Romantização. Sutil no drama.

Sacos de Lixo com jornal. Adeus sacolas plásticas! Life Hacks!

Lembram da época em que se baniram as sacolas plásticas dos supermercados? Hoje, é cobrado um pequeno valor por cada uma delas cerca de 0,10 centavos por sacola. Uma tentativa de diminuir o consumo de plástico por parte da população. Mas a maior dificuldade de se deixar de usar as sacolas plásticas não é no …

Continue lendo Sacos de Lixo com jornal. Adeus sacolas plásticas! Life Hacks!

Propagação do Silêncio.

O silêncio é ridiculamente confortável. É ridículo porque ansiamos por ele! Veja bem, nos primórdios da humanidade não havia poluição sonora, o que era o relincho de um cavalo se não um agradável som? E então, surgiu a necessidade da comunicação, um ótimo feito na minha opinião. E evoluímos para algumas máquinas, duas aqui, três …

Continue lendo Propagação do Silêncio.

Conto de Verão em um Farol. Parte 4 – Final.

Quando abri meus olhos vi que estava no colo da minha mãe, dentro de casa enrolado em um cobertor na minha cama. Minha mãe sorriu para mim melancólica e me lembrei o que havia acontecido. Amelie... Me levantei do colo da minha mãe e fui correndo para o farol. Minha mãe gritava meu nome correndo …

Continue lendo Conto de Verão em um Farol. Parte 4 – Final.