Sobre o ” E se”.

Já faz um tempo, estávamos eu e duas grandes amigas minhas conversando sobre um tema que faz parte da vida de muitas pessoas assim como faz parte da minha e devo dizer que é algo difícil de se livrar, é algo que nos torna medrosos perante uma situação, onde devemos fazer uma escolha, estou falando daquele famoso “e se?”.

Então o que temos é aquele ideal de pessoa que SE fossemos, seriamos mais amados, mais reconhecidos etc. E a partir dai criamos aquele universo paralelo, onde enxergamos como nossas vidas poderiam estar SE as coisas fossem diferentes. Então nós criamos esse ideal de ego, realidade, caminho e ideal de vida.

O ideograma de caminho é composto de outros 3 sub ideogramas, o primeiro ideograma, é o espaço geográfico, caminho é algo que me conduz do ponto A ao ponto B, sem esse espaço eu não posso caminhar, o segundo aspecto é o caminhante, para que exista um caminho, preciso de quem caminha, preciso de alguém que percorra essa distância entre dois pontos. E o terceiro ideograma é o ato de caminhar, se o caminhante ficar parado nesse espaço entre dois pontos, ele é um ponto, no meio de um espaço geográfico. – Flavia Melissa.

Não existe um caminho pré-existente antes que alguém o percorra, o caminho é construído conforme nós o percorremos. Não existe uma realidade paralela que diz que as coisas poderiam ser diferentes SE…

Esse é o aqui e esse é o agora, de certa forma, quando utilizamos o SE, estamos nos torturando por antecipação, como se não tivéssemos mais escolhas. Ainda estamos percorrendo nossos caminhos, ainda estamos em natural mudança, evolução e movimento.

Veja bem, SE você não trilhou esse caminho, então esse caminho não existe, e foi você quem decidiu fazer com que esse caminho não existisse. Depois de um tempo, alguns minutos aliás, você já começa a tortura mental. E SE eu tivesse feito aquilo? Para saber, você precisa fazer, você precisa tentar, você precisa ” SER o caminhante que percorre o caminho entre dois pontos.” – Flávia Melissa.

  • Rejane Leopoldino
Anúncios

Missão para a vida toda

Katarina Broggio Publicou em 2016 um texto sobre os signos e as missões divinas que a eles foram dadas. Me identifiquei bastante, porém, eu não sou familiarizada com o zodíaco e o divino, então acabei por reformular uma pequena parte que fazia menção a algum Deus e cheguei em uma definição de missão que melhor me representa. E hoje, a penduro em um quadro que tenho em casa, para sempre me lembrar.

Tenho a missão de abrir os olhos dos homens para novas possibilidades. Por isso, tenho o conceito do futuro e do amor fraternal. Viverei livre para que eu possa servir à humanidade. E para que eu faça um bom trabalho, tenho a provação da rebeldia para dominar e, como benção do universo, carrego o dom do progresso.

O texto dela é maravilhoso, além de muito inspirador, vale a pena dar uma olhada.
Link Abaixo:
Missão de cada Signo

🙂

  • Rejane Leopoldino

Vegetariana? Não. Redução do consumo de carne? Sim!

Muitas pessoas pensam em parar de consumir carne, porém muitas delas tem certa dificuldade nisso, afinal, não podemos ser tão radicais desde o primeiro dia, uma pessoa sedentária não vai correr 42 KM já na primeira semana. Sendo assim, conversando com  alguns colegas a alguns meses atrás sobre os impactos no ambiente em relação ao consumo de carne, sobre como ela atua em nosso organismo ( tanto positiva, como negativamente ) e sobre as dificuldades em parar de consumi-la, tive algumas reflexões  e cheguei a conclusão de que não preciso me tornar vegetariana para compartilhar das mesmas ideias, referências e claro, parcialmente da mesma dieta.

Sendo assim, passei a consumir menos carne ao invés de corta-la de uma vez do meu cardápio. Eu passei a ter uma boa dieta, bem equilibrada e saudável, rica em legumes durante a semana e aos finais de semana eu  consumo uma quantidade adequada de carne. Bem simples e nada radical. Além do mais, por não gastar tanto dinheiro com carnes como gastava antes, hoje posso quando vou açougue escolher algo de melhor qualidade e pagar um pouco mais por isso que continuará abaixo do meu orçamento anterior quando a minha frequência no açougue era bem maior.

Portanto, deixo essa reflexão a vocês sobre como pode ser interessante instalar esse equilíbrio no seu cardápio.

  • Rejane Leopoldino.

Desafio 6 meses sem açúcar. 3 semana.

Eu definitivamente não consigo tirar o açúcar da mesa, consigo reduzir e usar outros tipos de açúcar, mas não tirá-lo. As pessoas me conhecem por meus bolos, e quando elas me pedem eu preciso fazer, faço um pão de mel com doce de leite e chocolate aqui, um bolo de banana ali, e assim vai. Mas acabei com a minha dependência por doce. Eu me via muito viciada e agora parei de consumir refrigerante, chocolate depois do almoço, parei de comprar pacotes de chocolate para comer em casa e também parei de chupar as balas do baleiro que tem no trabalho. Me sinto melhor, mais disposta e o mais importante, sinto que não sou dependente do chocolate, do doce. Hoje ele é apenas um prazer a que casualmente me dou ao luxo. Foi difícil? não foi muito não, talvez porque eu nunca tenha sido realmente dependente, ou porque aderi a isso com muita facilidade. Mas uma sensação ótima é a de não se sentir extremamente atraída pelo açúcar. Além do mais, meu consumo de água melhorou muito quando cortei os doces, embora eu sempre tenha consumido água, desde que parei com o excesso de açúcar tenho consumido mais e com maior facilidade.

Resumo, só benefícios me trouxeram parar de consumir o açúcar, além de me sentir mais disposta e livre do constante desejo por ele, melhorou também meus hábitos alimentares.

  • Rejane Leopoldino

Templo Zu Lai

Esse Belíssimo templo Budista situado em Cotia é uma maravilha aos olhos. Lindas paisagens, contato direto com a natureza, cheiro de terra molhada e fresca pela vegetação, diversos animais, um recanto para a alma.

Para chegar lá é muito simples, Desça na Estação Butantã do Metrô (Linha Amarela) dirija-se ao ponto de ônibus que fica atrás da estação (na Praça Waldemar Ortiz ). Utilize qualquer ônibus ou van com destino à Cotia e desça no quilometro 28,5 ( ou 29) da Rodovia Raposo Tavares. Caminhe poucos metros no acostamento da via no sentido São Paulo até chegar à entrada da Estrada Fernando Nobre. Ande por cerca de 1461 metros na Fernando Nobre, onde à sua esquerda estará o templo. Esta caminhada, ao todo, leva a média de 20 minutos.

Terça-feira à sexta-feira: das 12h às 17h.

Sábados, domingos e feriados: das 9h às 17h.

Segundas-feiras: Fechado (mesmo se feriado).

Práticas públicas gratuitas aos domingos:

9h30- Prática de Meditação em Movimento ( atividade fixa, inspirada no Tai Chi)

10h- Cerimônia ( atividade fixa, vide no botão ATIVIDADES a agenda)

14h- Palestra ( atividade eventual, vide no botão ATIVIDADES a agenda)

15h- Meditação ( atividade fixa, com fundamentos básicos)

Das Proibições: ( segundo o próprio site do Templo)

  1. Não é permitido trazer quaisquer bebidas e alimentos para o interior do templo, logo, também não são autorizados piqueniques;

  2. Não trazer animais de estimação;

  3. Não vir com roupas inadequadas (decotes, regatas e shorts);

  4. Não fotografar nem filmar atividades e interior das salas sem autorização prévia;

  5. Não fumar absolutamente em nenhum local do templo;

  6. Não pegar nada que não tenha sido oferecido;

  7. Não assumir posturas inadequadas nas dependências (deitar pelo pátio, debruçar-se nas muretas, estátuas e etc.);

  8. Não manifestar contatos íntimos (beijos, abraços, carícias e etc.);

  9. Não tocar nos instrumentos de darma;

  10. Não fazer barulho e evite aglomeração na porta da sala principal (evite perturbar a concentração e o momento de oração dos praticantes).