Lembranças que não vivi.

foto antiga

Nas fotos antigas
Que foram recriadas pelo tempo,
Nos objetos ultrapassados
Enferrujados.

Nos vestidos desbotados,
Nos livros surrados,
Com o cheiro do ácaro
Em seus tecidos e páginas.

No barulho da antiga máquina de escrever,
No som dos discos de vinil,
Na caixinha de música
E de costuras de minha mãe

Na vitrola,
Na máquina polaroide de meu avô,
No rádio de botões e antena,
Nas cartas de amor rasgadas pelo tempo.

Vejo memórias de um passado que não vivi.

-Rejane Leopoldino

Sobre o nu Artístico

Agora compreenderemos melhor o porquê uma arte preocupada principalmente pela figura humana deva atender antes de tudo ao nu, assim como a razão de que este tenha constituído o problema mais apaixonante da arte clássica de todas as épocas. Não somente é o melhor veículo transmissor de tudo aquilo que na arte corrobora e acrescenta de maneira imediata o sentido da vida, mas é também em si mesmo o objeto mais significante do mundo dos homens.

— Bernard Berenson, Os pintores italianos do Renascimento (1954).

Mais algumas horas

Ah…
Se o dia pudesse ter algumas horas a mais
Talvez eu conseguisse conciliar
Tudo o que eu quero
Tudo o que preciso

Se o dia tivesse mais algumas horas
Talvez eu não pressionasse
Freneticamente a garrafa térmica
Para jorrar água no meu chá
Eu não comeria porcarias
No lugar de uma refeição

Eu teria tempo para mim e para você
Ah, eu adoraria ter mais tempo para você
Adoraria poder desperdiçar
Tantas e tantas horas
Apenas para pensar em você

Jogar o sono fora
Tenho feito isto constantemente
Na tentativa inútil de ganhar tempo

Eu não andaria depressa
Nem pensaria em correr

Se o dia pudesse ao menos, ter mais algumas horas.